mulher-vitima-da-enxaqueca
Share

Elas são três vezes mais afetadas que os homens e explicamos o por quê

Gravidez, menopausa e variação dos níveis dos hormônios femininos são algumas das explicações para um dado impressionante: há três vezes mais mulheres vítimas de enxaqueca do que homens.1-3 E não é apenas isso: em mulheres com menos de 40 anos, as crises, que em geral costumam durar de três horas a três dias, levam um tempo muito maior do que o de impacto nos homens para ir embora.3-4

A menstruação pode ser um gatilho para a enxaqueca: as mulheres podem ter crises de dois dias antes, até três dias depois da menstruação e, na maioria das vezes, de uma forma mais intensa e mais difícil de tratar.5 Os níveis de estrogênio e progesterona explicam em parte a vulnerabilidade feminina para os ataques.6

Se você é mulher, vai se identificar com a afirmação a seguir. Se for homem, certamente já ouviu esta frase: durante o período pré-menstrual, mulheres costumam consumir chocolate como forma de alívio aos sintomas da tensão pré-menstrual (TPM). Aí entra outro problema em ação: para alguns pacientes específicos o chocolate também pode ajudar a desencadear crises de enxaqueca.6 Se alivia algum tipo de sintoma, pode ao mesmo tempo trazer uma consequência bem mais pesada: cafeína e adoçantes também podem desencadear crises em algumas pessoas susceptíveis e merecem atenção redobrada neste período.6

Como lidar com a TPM

Há médicos que indicam uso de hormônios como forma de prevenção, diminuição ou até eliminação das crises provocadas pela menstruação.7 A dificuldade, porém, é que não se trata de uma certeza. O mesmo tratamento pode não ter efeito algum ou até mesmo provocar efeito contrário, desencadeando a enxaqueca.2 A resposta tem grande variação entre cada mulher.2 Das mulheres afetadas pela enxaqueca, 60% delas sofrem com as dores no período menstrual ou na gravidez.8


Referências

1. Rutberg S, Öhrling K. Migraine – more than a headache: Women’s experiences of living with migraine. Disability and Rehabilitation. 2012;34(4):329-336. doi:10.3109/09638288.2011.607211.
2. American Migraine Foundation. Woman and migraine. Disponível em: https://americanmigrainefoundation.org/understanding-migraine/women-and-migraine Acesso em setembro de 2018.
3. The Scientific World Journal. Functioning of Women with Migraine Headaches. Disponível em: https://www.hindawi.com/journals/tswj/2014/492350/abs/ Acesso em setembro de 2018.
4. Migraine trust. Common triggers. Disponível em: https://www.migrainetrust.org/about-migraine/trigger-factors/common-triggers/ Acesso em setembro de 2018.
5. Migraine Research Foundation. The impact of hormones. Disponível em: http://migraineresearchfoundation.org/about-migraine/migraine-in-women/the-impact-of-hormones/ Acesso em setembro de 2018.
6. American Migraine Foundation. Top 10 migraine triggers and how to deal with them. Disponível em: https://americanmigrainefoundation.org/understanding-migraine/top-10-migraine-triggers-and-how-to-deal-with-them/ Acesso em setembro de 2018.
7. WebMD. Hot to prevent migraines during your period. Disponível em: https://www.webmd.com/migraines-headaches/prevent-menstrual-migraines#1 Acesso em outubro de 2018.
8. National Headache Foundation. Menstrual Migraine. Disponível em: https://headaches.org/2007/10/25/menstrual-migraine/ Acesso em setembro de 2018.

Share