Cansado demais até para ler esse post? Fadiga e a Esclerose Múltipla

Cansado demais até para ler esse post? Fadiga e a Esclerose Múltipla

A maioria de nós simplesmente entraria debaixo do edredom e lá ficaria, se pudesse. Quando a vida está tão agitada que dormir parece um luxo, é porque o cansaço de fato nos afetou. Mas sentir-se um pouco cansado e vivenciar a fadiga são coisas completamente diferentes – e isso qualquer pessoa com esclerose múltipla saberá explicar. O cansaço é normalmente resultado de esforço, e em geral aliviado com algumas horas de sono. Já a fadiga é uma falta diária de energia; um cansaço extremo que não se pode aliviar com quantidade alguma de sono. A fadiga pode durar períodos curtos (um mês ou menos, a chamada fadiga “aguda”), mas em algumas pessoas pode durar muito mais (seis meses ou até mais, a fadiga “crônica”). Infelizmente, esse sentimento avassalador de exaustão é um dos sintomas mais comuns da esclerose múltipla, manifestado por pelo menos 75% das pessoas nesta condição em alguma fase da vida.

A fadiga nas pessoas com esclerose múltipla é algo complexo, que pode ser resultado da combinação de diferentes sintomas da esclerose múltipla. As alterações musculares, como o enrijecimento e a fraqueza, por exemplo, podem tornar a prática de atividades físicas mais desafiadora, o que contribui com a fadiga; enquanto os problemas urinários e a dor vivenciada à noite interrompem o sono regularmente. A depressão, que afeta cerca de metade das pessoas com esclerose múltipla, é outra causa comum de fadiga. Mas às vezes, sem que haja nenhuma razão específica aparente, você sente que não tem mais força e até mesmo as tarefas físicas ou mentais mais simples tornam-se uma batalha. Os pesquisadores estão começando a identificar um tipo específico de fadiga que apenas as pessoas com esclerose múltipla vivenciam. Ela está sendo chamada de “lassitude“, e é considerada específica, pois não parece ter relação com qualquer dano físico ou com depressão. Essa fadiga relacionada à esclerose múltipla e vivenciada todos os dias pode ser muito pior do que a fadiga “normal”. Ela ainda pode se agravar ao longo do dia, com o calor ou a umidade. Ela também pode ocorrer bem cedo pela manhã, mesmo depois de uma boa noite de sono.

Alterações no cérebro e a fadiga

Como acontece muito na esclerose múltipla, as causas exatas da fadiga ainda são desconhecidas. Alguns experts acreditam que os níveis baixos de energia são resultado do cérebro se adaptando às lesões. Então, a presença de lesões ou cicatrizes no cérebro (outro sintoma da esclerose múltipla) parece ser um fator. As imagens por ressonância magnética (IRM) de pessoas que apresentam fadiga mostram que essas pessoas utilizam áreas maiores do cérebro para realizar determinadas atividades, em comparação com aquelas que não apresentam. Em outras palavras, é como se o cérebro tentasse encontrar caminhos alternativos para enviar os impulsos nervosos em áreas onde há uma lesão, o que consome mais energia – da mesma forma com que você usa mais gasolina quando está dirigindo e faz um desvio para evitar um bloqueio na estrada. No entanto, as lesões não são a única forma de como a esclerose múltipla afeta o cérebro. O cérebro de qualquer pessoa diminui com o envelhecimento, mas esse processo acontece de forma um pouco acelerada nas pessoas com esclerose múltipla. Especialistas acreditam que possa haver uma conexão entre esta alteração gradual na estrutura do cérebro e a lassitude. Um estudo realizado em pessoas com esclerose múltipla descobriu que os danos nos axônios do cérebro parecem estar associados à fadiga, já que a compensação do cérebro pelas lesões faz com que o esforço necessário para realizar uma determinada tarefa seja desproporcionalmente mais alto. As alterações no lóbulo parietal (a parte do cérebro responsável pelo processamento de informações sensoriais, como toque, pressão, temperatura e dor), em particular, parecem estar associadas à fadiga crônica. O cérebro é um órgão incrivelmente complexo e é necessário realizar mais pesquisa para que possamos compreender totalmente os processos relacionados à fadiga crônica. Enquanto isso, o impacto da atrofia cerebral tem se tornado uma área de interesse cada vez maior para os neurologistas e espera-se que possamos prevenir esse dano no futuro próximo.

A esclerose múltipla e a qualidade do sono

Outra razão que pode te dar a sensação de que sua energia está em baixa é a falta de uma boa noite de sono. Infelizmente, muitos dos sintomas da esclerose múltipla (como problemas urinários e intestinais, espasmos musculares e até mesmo a depressão) podem te manter acordado durante a noite. Mesmo que você fique tempo suficiente descansando, a qualidade de seu sono pode ser ruim, por conta de uma condição conhecida como apneia. As alterações no cérebro causadas pela esclerose múltipla podem afetar o ritmo da sua respiração durante o sono, além de obstruir as vias respiratórias. Como resultado, os níveis de oxigênio são mais baixos do que deveriam durante a noite e o corpo não se revigora. Um estudo recente mostrou que uma a cada cinco pessoas com esclerose múltipla foi formalmente diagnosticada com apneia, enquanto um estudo anterior que avaliou padrões de sono em pessoas com esclerose múltipla demonstrou que na verdade mais da metade das pessoas com esclerose múltipla sofre com esse problema.

Tratando a fadiga crônica

Se a falta de energia está tornando sua vida mais difícil, é importante falar com seu médico sobre esse problema. Ele poderá tratar a apneia, caso ela ocorra, além de excluir outras condições médicas como distúrbios na tireoide ou anemia. Se a fadiga for identificada como um sintoma da esclerose múltipla, seu médico deverá discutir algumas opções com você.

Até lá, há várias coisas que você pode fazer para melhorar sua vida:

  • Priorize: avalie novamente sua lista de afazeres para que inclua apenas as tarefas fundamentais, e a máxima quantidade de descanso possível.
  • Tire um cochilo: se você não está dormindo bem durante a noite, então, um cochilo à tarde pode te ajudar a recarregar energias e a aguentar o resto do dia.
  • Refresque-se: na esclerose múltipla, a fadiga parece piorar conforme a temperatura do corpo aumenta. Por isso, evite sobreaquecer seu corpo com muita roupa e prefira usar peças em camadas que possam ser facilmente removidas ao longo do dia.
  • Busque o equilíbrio: a fadiga é uma das principais razões pelas quais as pessoas com esclerose múltipla desistem do trabalho de forma precoce. Converse com o seu empregador sobre a possibilidade de ter um horário flexível e tente utilizar sua energia da melhor forma possível (por exemplo, chegando e saindo mais cedo) – e aborde de forma realista a sua carga de trabalho. Outra opção pode ser trabalhar de casa.
  • Mantenha-se ativo: apesar de parecer a última coisa que você quer fazer quando está cansado, mas o exercício regular tem sido visto como um importante elemento no combate a fadiga em pessoas com esclerose múltipla. Mesmo que seja uma atividade moderada, como uma caminhada ou algumas braçadas na piscina, o exercício ajuda a aumentar o fluxo sanguíneo e desencadeia a liberação de endorfinas, substâncias do cérebro associadas à sensação de bem-estar.
  • Diga não a comida junk ou fast-food: quando estamos cansados, é tentador comer coisas pesadas e ricas em calorias, como bolachas e batatas fritas. Na verdade, carboidratos simples e refinados como estes podem piorar a situação, já que a liberação repentina de açúcar na corrente sanguínea leva a liberação de insulina, o que conduz a uma falta de energia mais rápida, logo após a ingestão. Para ter um fornecimento de energia mais equilibrado, tente optar por carboidratos complexos, como os presentes em pães e massas integrais, vegetais, leguminosas e cereais. Os carboidratos complexos levam a liberação mais sustentada da energia, que ajuda a evitar ao cansaço.
  • Busque ajuda: se você está tendo dificuldades para manter tudo nos eixos, peça ajuda. Os amigos e familiares ficarão muito felizes por fazer parte e ajudar na sua recuperação. Falar com pessoas que vivenciam outras doenças, mas que também têm fadiga, e aprender como elas gerenciam a energia pode ajudar muito.

Acima de tudo, seja verdadeiro com você. A fadiga pode ser um sintoma invisível da esclerose múltipla, mas isso não a torna menos real. Ouça seu corpo, e se isso significar passar mais tempo descansando, então passe.


* Os blogueiros do Vivendo como Você (Living Like You) são financeiramente compensados, considerando um valor de mercado pelas horas dedicadas. O pagamento aos blogueiros de forma alguma interfere no conteúdo que escrevem, nas opiniões ou perspectivas da vida com esclerose múltipla.


Referências

1. Living Like You. Too tired to even read this? Fatigue and MS. Disponível em: http://www.livinglikeyou.com/en/stories/detail/too-tired-to-even-read-this-fatigue-and-ms. Acesso em junho de 2019.

Veja mais em: Vivendo como você

saiu na mídia

Notícias Relacionadas